É possível desenvolver a agricultura no espaço?

Olá, pessoal.

Hoje vamos falar do agronegócio em seu estado mais futurista, com o desenvolvimento de cultivos fora da Terra. Será que isso é realmente possível?

A humanidade tenta há décadas encontrar provas de vida fora do nosso planeta, mas durante essa corrida tecnológica liderada pelas principais potências do mundo, já foram estudadas maneiras de levar as formas de vida terrestres para outros ambientes.

A agência espacial norte-americana (Nasa), por exemplo, já tem um programa para descobrir como plantas se desenvolvem em ambientes de microgravidade. O órgão fez um comunicado dizendo que membros da Expedição 39 começaram a testar um sistema chamado Veggie, que é uma espécie de câmara que abriga pequenos compartimentos contendo sementes.

O mecanismo tem um processo de cultivo um pouco mais trabalhoso do que o praticado no nosso planeta, além de desenvolvimento mais lento que os vegetais aqui da Terra. Ainda assim, a técnica é bastante promissora. Para chegar ao espaço, o sistema foi colocado a bordo da nave SpaceX-3 e partiu da Terra em abril rumo à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês).

Em 8 de maio, os engenheiros espaciais Steve Swanson e Rick Mastracchio instalaram o Veggie na ISS. O equipamento foi desenvolvido pela Orbital Technologies Corp e testado primeiro na Terra pela Nasa.

Funcionalidade

Os astronautas precisam se equipar com um óculos de sol especial. Em seguida, são ativadas luzes de LED vermelhas, azuis e verdes dentro da câmara e só então as sementes são inseridas nos compartimentos, que a Nasa apelidou de “almofadas”.

Cada um deles possui um fertilizante controlado e uma espécie de argila calcinada usada em campos de beisebol. As almofadas também receberam cerca de 100 ml de água para iniciar o crescimento da alface romana, a primeira planta escolhida para o experimento. Os vegetais ficarão na estação espacial por um período de 28 dias.

Ao final desse ciclo, as plantas serão cuidadosamente colhidas, congeladas e armazenadas para retornar à Terra na SpaceX-4 até o final deste ano.

Chegando ao planeta, a alface será submetida a novos testes para saber se os vegetais estão saudáveis, limpos, livres de bactérias e, consequentemente, propícios para o consumo.

Já o sistema Veggie permanecerá na ISS para pesquisas futuras com outros tipos de plantas, além de legumes como rabanetes e ervilhas.

Futuro

A Nasa também vai elaborar planos de como gerenciar plantações mais complicadas – o Trigo, por exemplo, exigiria mais equipamentos e preparação. “Quanto mais os seres humanos se distanciarem da Terra, maior é a necessidade de cultivar plantas para alimentação”, afirma Gioia Massa, líder da equipe que conduz o experimento.

Além de servir como fonte de alimento, a fazenda espacial pode funcionar como terapia para os astronautas. De acordo com a Nasa, cuidar de uma plantação alivia o estresse psicológico causado pelo isolamento do espaço, reduz a depressão e os faz se sentirem mais próximos da Terra. Isso sem contar que é mais saudável consumir os legumes e vegetais ali, retirados na hora.

“Acho que os sistemas de plantação se tornarão componentes importantes em qualquer cenário de exploração de longa duração. Minha esperança é que o Veggie permita que a tripulação plante e consuma legumes frescos regularmente”, complementa.

Vale lembrar que a agência espacial possui outro projeto para facilitar a vida dos astronautas na ISS. Em maio do ano passado, foram investidos US$ 125 mil na criação de uma impressora 3D que fabrica pizza e outros tipos de comida. Se der certo, o aparelho poderá criar alimentos para os astronautas e ajudá-los em rotas mais longas, como, por exemplo, uma possível viagem tripulada para Marte, que deve acontecer até 2030.

“Espero ver o sucesso do Veggie como o primeiro passo na produção de alimentos que vai permitir que os astronautas da estação espacial desfrutem de comida fresca e adquiram conhecimento além da Terra”, diz Brian Onate, que ajudou na construção do sistema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *