Sem a agricultura de precisão, ninguém irá ao futuro no agro

Será possível levar seres humanos ao futuro sem um gigantesco esforço de educação na agricultura de precisão?

Mas não basta somente a educação passiva. Precisamos de educação persuasiva, ativa, entusiasmada, motivacional, pois o drama do aprendizado não está nos 20% que têm vontade e partem à frente. O drama da educação está nos outros 80%.

Isso exige educadores persistentes e apaixonados para não deixarem seres humanos para trás.

Mas, o que isso tem a ver com o agronegócio?

Respondo sem pensar duas vezes: tem tudo a ver, pois 4 milhões de produtores rurais no Brasil, sendo que cerca de 70% respondem por menos do que 4% da renda bruta da produção da agropecuária brasileira.

Agora não venham com chororô, de que falta isso ou aquilo. Tudo falta, mas o que mais falta é o retorno forte e muito bem liderado da extensão rural brasileira.

Técnicos no campo ensinando a fazer e legítimos agentes do entusiasmo e da motivação dos produtores, principalmente os pequenos, que se não estiverem os associados e cooperativados, poucas chances terão de ir ao mercado e ao futuro.

O Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão (ConBAP) 2018 será realizado entre os dias 1 a 4 de outubro em Curitiba. Ali se discutirá o estado mais sofisticado da arte tecnológica.

Há muito para ser feito na agricultura de precisão, já que a tecnologia do passado, conhecida há 40 anos, é muito mal usada. Para isso, precisa de extensão rural, técnicos no campo educando e motivando. Sem a agricultura de precisão, ninguém irá ao futuro no agro.

Fonte: Pixabay

Precisamos urgente resgatar os extensionistas brasileiros, usando novas mídias e muita educação.

Em Mato Grosso, a Empresa Mato-grossense de Pesquisa e Extensão Rural (Empaer) quer inaugurar uma nova era, buscando parcerias com empresas privadas e ONGs para resgatar a dignidade de mais de 140 mil produtores familiares do Mato Grosso, seu alvo essencial.

É hora do regresso da extensão rural e da pesquisa no microbioma nos campos brasileiros com parcerias público-privadas, acima de tudo.

Leia também:

2 respostas para “Sem a agricultura de precisão, ninguém irá ao futuro no agro”

  1. cristiane disse:

    Oi gente, amei o site parabéns pelo trabalho de vocês. beijos Cris :*

  2. Karina Amorim disse:

    Sou estudante de engenharia Agronômica, e sinto muita dificuldade em relação a motivação, qualidade e sistematização. Então eu resolvi estudar sozinha muita coisa, porém quando há uma discussão, seminário ou algo do tipo, sofro muito reprezaria. Muitos torcem o nariz, outros fazem dizer que: “ninguém faz isso, ou aquilo” “você não sabe o que é o campo”, essas frases me deixam muito triste, pq na própria universidade de ciências agrárias as pessoas são fechadas, e quando falamos de extensão rural não fica nenhum pra contar história. Na minha opinião concordo plenamente no que foi dito sobre a educação ativa, persuasiva! Obrigada , Karina Amorim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *