-

Ministério faz estudo sobre os 15 principais produtos da agropecuária brasileira

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) realizou um estudo sobre os 15 principais produtos da agropecuária brasileira, para uma projeção (de longo prazo) do que vai acontecer até 2028/2029. O trabalho de projeções procura indicar direções do desenvolvimento e fornecer subsídios aos formuladores de políticas públicas quanto às tendências dos principais produtos do…

05 de agosto de 2019 às 10h27

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) realizou um estudo sobre os 15 principais produtos da agropecuária brasileira, para uma projeção (de longo prazo) do que vai acontecer até 2028/2029.

O trabalho de projeções procura indicar direções do desenvolvimento e fornecer subsídios aos formuladores de políticas públicas quanto às tendências dos principais produtos do agronegócio.

Esse estudo passou por grãos, carnes, frutas, arroz, leite, etc.

Para o ano de 2019, há uma estimativa de um valor bruto total da produção de R$ 600 bilhões e R$ 900 milhões, um pouco menos do que o recorde de 2017, que foi de R$ 604 bilhões e R$ 200 milhões.

Devemos fechar a safra com cerca de 240,7 milhões de toneladas, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e as projeções dos técnicos do MAPA nos levariam para 2029 (10 anos à frente) num potencial intervalo de 300 milhões de toneladas até 350 milhões, num cenário mais positivo.

Imagem: Freepik

Isso significa um salto efetivo a nível do dentro da porteira, onde a agropecuária continuará sendo uma sustentação real e legítima de toda agregação de valor no seu entorno.

A minha visão é de que estaremos muito mais para 400 milhões de toneladas do que 300 milhões em 10 anos.

Na edição de julho da Revista Isto É Dinheiro Rural, há uma matéria com o ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, Marcello Brito, presidente da Abag, e comigo, onde estamos afirmando o propósito da busca do 1 trilhão de dólares do PIB do agronegócio brasileiro em 5 anos.

O agronegócio envolve toda a agroindústria, os supermercados, o comércio internacional do Brasil… tudo.

Precisamos, ao falar de agronegócio, não abordar apenas a agropecuária, precisamos compreender que essa palavra sempre envolve a ciência que antecede a agricultura, como a agregação de valor que vem depois das porteiras das fazendas, desde o gene até o satélite, da mesa do consumidor e dos nossos pets.

Em 10 anos seremos muito mais do que os atuais 500 bilhões de dólares do agro inteiro brasileiro.

Precisamos reunir e integrar as cadeias de valor, caso contrário, olhamos retalhos da colcha e nunca o cobertor inteiro. O agro é muito mais.

 

Leia também:

-

Ministério faz estudo sobre os 15 principais produtos da agropecuária brasileira

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) realizou um estudo sobre os 15 principais produtos da agropecuária brasileira, para uma projeção (de longo prazo) do que vai acontecer até 2028/2029. O trabalho de projeções procura indicar direções do desenvolvimento e fornecer subsídios aos formuladores de políticas públicas quanto às tendências dos principais produtos do…

05 de agosto de 2019 às 10h27

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) realizou um estudo sobre os 15 principais produtos da agropecuária brasileira, para uma projeção (de longo prazo) do que vai acontecer até 2028/2029.

O trabalho de projeções procura indicar direções do desenvolvimento e fornecer subsídios aos formuladores de políticas públicas quanto às tendências dos principais produtos do agronegócio.

Esse estudo passou por grãos, carnes, frutas, arroz, leite, etc.

Para o ano de 2019, há uma estimativa de um valor bruto total da produção de R$ 600 bilhões e R$ 900 milhões, um pouco menos do que o recorde de 2017, que foi de R$ 604 bilhões e R$ 200 milhões.

Devemos fechar a safra com cerca de 240,7 milhões de toneladas, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e as projeções dos técnicos do MAPA nos levariam para 2029 (10 anos à frente) num potencial intervalo de 300 milhões de toneladas até 350 milhões, num cenário mais positivo.

Imagem: Freepik

Isso significa um salto efetivo a nível do dentro da porteira, onde a agropecuária continuará sendo uma sustentação real e legítima de toda agregação de valor no seu entorno.

A minha visão é de que estaremos muito mais para 400 milhões de toneladas do que 300 milhões em 10 anos.

Na edição de julho da Revista Isto É Dinheiro Rural, há uma matéria com o ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, Marcello Brito, presidente da Abag, e comigo, onde estamos afirmando o propósito da busca do 1 trilhão de dólares do PIB do agronegócio brasileiro em 5 anos.

O agronegócio envolve toda a agroindústria, os supermercados, o comércio internacional do Brasil… tudo.

Precisamos, ao falar de agronegócio, não abordar apenas a agropecuária, precisamos compreender que essa palavra sempre envolve a ciência que antecede a agricultura, como a agregação de valor que vem depois das porteiras das fazendas, desde o gene até o satélite, da mesa do consumidor e dos nossos pets.

Em 10 anos seremos muito mais do que os atuais 500 bilhões de dólares do agro inteiro brasileiro.

Precisamos reunir e integrar as cadeias de valor, caso contrário, olhamos retalhos da colcha e nunca o cobertor inteiro. O agro é muito mais.

 

Leia também: