Análise sensorial do azeite de oliva: um instrumento em favor da qualidade

Uma das questões que se impõem com relação ao azeite de oliva, tornando-o importante no contexto relativo à qualidade, integralidade e a seu melhor uso de forma saudável, é a análise sensorial. É ela que vai determinar a importância definitiva e a real condição do azeite, dando um norte na orientação com relação a seu bom aproveitamento. Apresentará, então, o estágio no qual ele se encontra, classificando-o em uma das quatro categorias (extra virgem, virgem, corrente e lampante), estabelecidas em função do estágio de oxidação e deterioração do produto.

Essas determinações classificatórias estão reguladas oficialmente pelo órgão maior do setor, que é o Conselho Oleícola Internacional (COI). Esse tipo de atividade analítica não foi inventada ou criada sem alguma razão. Ela tem a função de identificar os azeites, de uma maneira criteriosa e com regras, separando-os entre os que têm qualidade e integralidade, os que estão no caminho da oxidação e aqueles que já estão oxidados, portanto, sem seus principais componentes saudáveis que são os polifenóis (principais elementos qualitativos do azeite, com seus aromas e sabores, e que fazem a diferença das demais gorduras).

Muitas pessoas pensam que o azeite de oliva é apenas um complemento nos pratos ou nas saladas. No entanto, não é só isso: ele tem uma função que vai  muito além dessa simples forma de utilização. O azeite como um alimento tem um outro porte e um outro valor agregado, pois coloca em nosso corpo elementos ou substâncias que vão ajudar na melhoria do funcionamento de nosso organismo, tornando-o mais saudável. Isso já está cientificamente comprovado através das diversas pesquisas  feitas ao redor do mundo com esse alimento.

Melhor máquina de análise é o ser humano

A melhor máquina de análises sensorial desse tipo de produto é o próprio ser humano. Nenhuma outra o irá substituir, por uma simples razão: as pessoas, através do seu sistema olfato-gustativo, usam determinadas sensações do corpo humano, através de seus quimiorreceptores e da sensibilidade táctil, para identificar as várias qualidades e defeitos dos azeites fazendo as respectivas diferenciações.

Assim, a análise sensorial comprova e garante a integralidade dos azeites. Isso é um poderoso instrumento em favor da qualidade e suas diferenciações. Aliados a ela vem a proteção aos direitos do consumidores, que podem ter certeza que estarão adquirindo um bom e saudável azeite. Também protege os bons produtores, pois terão a certeza de que estão no bom caminho e confiarão mais no que estão produzindo. Assessora a indústria oleícola como um todo na produção de produtos de qualidade e também ajuda a fazer investigação sobre os azeites e suas diferenças.

A análise sensorial tem esse fator de acréscimo e de credibilidade em seus resultados. Ela é primordial para auxiliar  todo esse processo que se traduz na mais-valia desse produto nas mesas e nos pratos que fazem parte do dia a dia na alimentação das pessoas e na gastronomia de um modo geral.

Expert em azeite

Precisamos saber fazer as diferenciações dos mais diversos profissionais que atuam nessa área. A análise sensorial é feita pelo “expert especializado em azeite”, requer conhecimento desse universo, muita prática e muita experiência. Isso só se consegue muitas vezes com  anos de atuação e cursos universitários que deem esse suporte técnico/científico.

O analista sensorial voltado para o reconhecimento e diferenciação de azeites precisa conhecer todo o processo de produção, as variedades de oliveira. Ter um juízo sensorial confiável. Ter amplos conhecimentos sobre as características de um azeite, seu processo de transformação, suas possíveis modificações e as causas que podem provocá-las. Isso não se consegue com cursos de fins de semana ou cursinhos preparatórios para colheita ou coisa que o valha, pois esses não dão suporte técnico para nada e para ninguém, a não ser vantagens para quem ministra esses tipos de atividades.

É lógico que não estamos falando aqui de atividades informativas e de marketing junto a consumidores, visando alavancar vendas de marcas, e sim de ações e procedimentos com caráter técnico, que é um outro universo.

2 respostas para “Análise sensorial do azeite de oliva: um instrumento em favor da qualidade”

  1. Fernando disse:

    Gostei bastante do seu artigo, parabéns pela iniciativa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *