-

Classificatória Gaúcha deve ser uma das mais fortes do ciclo

Novidade da temporada é uma fusão de etapas que eram disputadas nas regiões norte e sul do Rio Grande do Sul

13 de junho de 2019 às 14h08

Novidade na temporada, a Classificatória Gaúcha é a fusão das etapas que eram disputadas nas regiões norte e sul do Rio Grande do Sul. A unificação está levando à pista, a partir desta quinta-feira (13), 96 fortíssimos candidatos.
Entre as 48 fêmeas, 24 já disputaram pelo menos uma das seletivas anteriores, sem êxito, e retornam para tentar, ainda em solo gaúcho, uma das vagas à final; 12 correram o Bocal e 12, a Aberta. Duas éguas (Herança de Santa Aniceto e Zafira do Infinito) participaram das duas provas realizadas em Esteio e vão para a terceira tentativa. 10 animais da categoria são finalistas de outras edições. Destaque para campeãs de classificatórias de 2018: Xiba do Infinito (Bocal de Ouro), Umauá do Infinito (Aberta) e Sorte Grande da Boa Vista (Camaquã/RS).

Já nos machos, 26 inscritos disputaram etapas anteriores: 17 a Aberta e 9, o Bocal. Apenas Viragro Rio Toro correu as duas primeiras e vai para a terceira chance de classificação. Há mais finalistas entre os garanhões: 13. Entre as atrações: PP Saudade de Um Amigo da Renascer (campeão da Aberta/2018); Capanegra Trapezio (campeão Sapucaia-RJ/2018); Feitiço Cavalera (Bocal de Prata/2017 e duas vezes 5º no Freio); Infinito da Camila (Bocal de Bronze/2017) e Imperador da Tradição (campeão do Freio do Proprietário-Amador A/2018).
Entres os ginetes, são 52 competidores. Guto Freire e Fabinho Teixeira da Silveira levam mais animais: 5 cada. Logo depois vêm Gabriel Marty e Zeca Macedo com 4. Montam três cavalos: Lindor Colares Luiz, Fabrício Barbosa, Volmir Guimarães, Felipe Delias, Daniel Teixeira, Adriano Streck, Ricardinho Wregge e Raul Lima.
A discussão, antes da disputa, era saber qual etapa seria mais forte: a Aberta ou a Gaúcha. Até domingo saberemos.

Por Sandro Fávero

-

Classificatória Gaúcha deve ser uma das mais fortes do ciclo

Novidade da temporada é uma fusão de etapas que eram disputadas nas regiões norte e sul do Rio Grande do Sul

13 de junho de 2019 às 14h08

Novidade na temporada, a Classificatória Gaúcha é a fusão das etapas que eram disputadas nas regiões norte e sul do Rio Grande do Sul. A unificação está levando à pista, a partir desta quinta-feira (13), 96 fortíssimos candidatos.
Entre as 48 fêmeas, 24 já disputaram pelo menos uma das seletivas anteriores, sem êxito, e retornam para tentar, ainda em solo gaúcho, uma das vagas à final; 12 correram o Bocal e 12, a Aberta. Duas éguas (Herança de Santa Aniceto e Zafira do Infinito) participaram das duas provas realizadas em Esteio e vão para a terceira tentativa. 10 animais da categoria são finalistas de outras edições. Destaque para campeãs de classificatórias de 2018: Xiba do Infinito (Bocal de Ouro), Umauá do Infinito (Aberta) e Sorte Grande da Boa Vista (Camaquã/RS).

Já nos machos, 26 inscritos disputaram etapas anteriores: 17 a Aberta e 9, o Bocal. Apenas Viragro Rio Toro correu as duas primeiras e vai para a terceira chance de classificação. Há mais finalistas entre os garanhões: 13. Entre as atrações: PP Saudade de Um Amigo da Renascer (campeão da Aberta/2018); Capanegra Trapezio (campeão Sapucaia-RJ/2018); Feitiço Cavalera (Bocal de Prata/2017 e duas vezes 5º no Freio); Infinito da Camila (Bocal de Bronze/2017) e Imperador da Tradição (campeão do Freio do Proprietário-Amador A/2018).
Entres os ginetes, são 52 competidores. Guto Freire e Fabinho Teixeira da Silveira levam mais animais: 5 cada. Logo depois vêm Gabriel Marty e Zeca Macedo com 4. Montam três cavalos: Lindor Colares Luiz, Fabrício Barbosa, Volmir Guimarães, Felipe Delias, Daniel Teixeira, Adriano Streck, Ricardinho Wregge e Raul Lima.
A discussão, antes da disputa, era saber qual etapa seria mais forte: a Aberta ou a Gaúcha. Até domingo saberemos.

Por Sandro Fávero