-

Independência do Espigão confirmada na final. Égua busca o bi inédito entre as fêmeas

Depois de anunciada a decisão do retorno de JA Libertador para tentar o inédito tricampeonato do Freio de Ouro, agora é a campeã de 2018 que tem sua a inscrição confirmada. Independência do Espigão, da Cabanha Espigão de Canoinhas (SC) está em preparação no Centro de Treinamento de Daniel Teixeira, em Júlio de Castilhos (RS). O…

24 de julho de 2019 às 16h21

Depois de anunciada a decisão do retorno de JA Libertador para tentar o inédito tricampeonato do Freio de Ouro, agora é a campeã de 2018 que tem sua a inscrição confirmada. Independência do Espigão, da Cabanha Espigão de Canoinhas (SC) está em preparação no Centro de Treinamento de Daniel Teixeira, em Júlio de Castilhos (RS). O conjunto que venceu a competição no ano passado com 20,907 de média final, vai em busca do bicampeonato nunca antes alcançado entre as fêmeas.

Independência do Espigão e Daniel Teixeira, conjunto vencedor de 2018. Foto: Felipe Ulbrich

“Foi uma decisão conjunta, minha e do Daniel. Temos uma parceria de mais de 10 anos. É uma égua que só competiu três vezes e é saudável. Vamos correr com alegria, sem a pressão de ter que ganhar novamente. O título que ela conquistou ninguém tira mais”, afirma o titular da Cabanha Espigão, Ademir Pereira.
Comedido, Daniel Teixeira evita apontar a égua como favorita, mas concorda que além das qualidades do animal, o entrosamento do conjunto ajuda bastante. “É uma égua diferenciada, uma das melhores que já corri. Voltou para mim em janeiro e está muito bem de saúde. Sei da importância de defender o título e do que pode representar um bicampeonato inédito”, destaca.
Depois da conquista do Freio de Ouro, Independência do Espigão foi para uma central de inseminação em Pelotas (RS). Os acasalamentos foram com o uruguaio Colibri Matrero (campeão do Freio da Expo FICCC) e com Harmônico de Santa Edwiges.
Com a confirmação de JA Libertador e Independência do Espigão, o número de animais na final da Expointer sobe para 98.

Por Sandro Fávero

-

Independência do Espigão confirmada na final. Égua busca o bi inédito entre as fêmeas

Depois de anunciada a decisão do retorno de JA Libertador para tentar o inédito tricampeonato do Freio de Ouro, agora é a campeã de 2018 que tem sua a inscrição confirmada. Independência do Espigão, da Cabanha Espigão de Canoinhas (SC) está em preparação no Centro de Treinamento de Daniel Teixeira, em Júlio de Castilhos (RS). O…

24 de julho de 2019 às 16h21

Depois de anunciada a decisão do retorno de JA Libertador para tentar o inédito tricampeonato do Freio de Ouro, agora é a campeã de 2018 que tem sua a inscrição confirmada. Independência do Espigão, da Cabanha Espigão de Canoinhas (SC) está em preparação no Centro de Treinamento de Daniel Teixeira, em Júlio de Castilhos (RS). O conjunto que venceu a competição no ano passado com 20,907 de média final, vai em busca do bicampeonato nunca antes alcançado entre as fêmeas.

Independência do Espigão e Daniel Teixeira, conjunto vencedor de 2018. Foto: Felipe Ulbrich

“Foi uma decisão conjunta, minha e do Daniel. Temos uma parceria de mais de 10 anos. É uma égua que só competiu três vezes e é saudável. Vamos correr com alegria, sem a pressão de ter que ganhar novamente. O título que ela conquistou ninguém tira mais”, afirma o titular da Cabanha Espigão, Ademir Pereira.
Comedido, Daniel Teixeira evita apontar a égua como favorita, mas concorda que além das qualidades do animal, o entrosamento do conjunto ajuda bastante. “É uma égua diferenciada, uma das melhores que já corri. Voltou para mim em janeiro e está muito bem de saúde. Sei da importância de defender o título e do que pode representar um bicampeonato inédito”, destaca.
Depois da conquista do Freio de Ouro, Independência do Espigão foi para uma central de inseminação em Pelotas (RS). Os acasalamentos foram com o uruguaio Colibri Matrero (campeão do Freio da Expo FICCC) e com Harmônico de Santa Edwiges.
Com a confirmação de JA Libertador e Independência do Espigão, o número de animais na final da Expointer sobe para 98.

Por Sandro Fávero