Pesquisadores votam contra plantio experimental de soja em fevereiro

Como mostramos ontem no blog do Canal Rural Mato Grosso, o Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), avalia a possibilidade de autorizar – excepcionalmente – o plantio experimental de soja no mês de fevereiro no estado.

No entanto, em reunião consultiva realizada na tarde de ontem (07) em Cuiabá, pesquisadores que integram a subcomissão de fitopatologia da Comissão de Defesa Vegetal do Ministério da Agricultura em Mato Grosso se mantiveram contrários à ideia. Entre as 11 entidades presentes no encontro, 8 disseram “não” à alteração do calendário de cultivo no estado, e apresentaram embasamentos científicos para justificar a negativa, afirmando que tal cultivo representaria uma grave ameaça ao futuro da sojicultura brasileira, já que criaria ambiente propício para a sobrevivência, proliferação e evolução do fungo causador da ferrugem asiática. Outras 2 entidades foram favoráveis aos experimentos e houve uma abstenção.

Nesta sexta-feira, dia 8, o assunto será levado para o plenário deliberativo da Comissão de Defesa Vegetal do MAPA-MT, que irá votar a proposta. Vale ressaltar, no entanto, que esta comissão tem caráter “consultivo”, ou seja, a palavra final sobre a proposta caberá ao Indea, mesmo que esta decisão seja contrária ao parecer técnico da comissão.

Enquanto isso, no campo tem agricultor assumindo o risco de plantar o grão em fevereiro, fazendo questão de deixar as porteiras da fazenda abertas para comprovar que o cultivo seria seguro e representaria a melhor opção para aqueles que desejam produzir as próprias sementes. É o caso do João Paulo Rorig, que semeou esta semana 80 hectares de soja no município de Cláudia, médio-norte do estado. Em entrevista ao repórter Pedro Silvestre, Rorig afirmou que há quatro anos – quando a legislação estadual permitia o cultivo neste período – eles realizou o plantio em fevereiro que colheu resultados bastante positivos. “Tivemos sementes de alto vigor, com incidência muito menor de pragas”, enfatiza.

Resultado

Terminou em 9×4 o placar da votação realizada durante esta tarde na Comissão de Defesa Vegetal do Ministério da Agricultura em Mato Grosso. Por maioria, as entidades integrantes reafirmaram o posicionamento contrário à proposta apresentada e defendida pela Aprosoja-MT. Com o resultado do parecer técnico-científico em mãos, cabe agora ao Instituto de Defesa Sanitária Animal e Vegetal do Estado (Indea) decidir se acata a recomendação da maioria dos pesquisadores que representam as entidades ou se atende ao pedido dos agricultores. Por enquanto, o Indea ainda não se manifestou oficialmente sobre o futuro deste assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *