-

Mato Grosso: queimadas e seca colocam estado em situação de emergência

Decreto publicado pelo Governo do estado tem validade de 60 dias e pode ser prorrogado

11 de setembro de 2019 às 15h04

A estiagem que já dura mais de 4 meses em alguns municípios. A baixíssima umidade relativa do ar, oscilando entre 7% e 20% em várias cidades. O número alarmante de queimadas em agosto, com registro de 8.030 focos de calor, 230% acima do registrado no mesmo mês do ano passado. Fatores que compõem um cenário delicado, que levou o Governo de Mato Grosso a decretar situação de emergência.

O documento vale por 60 dias e pode ser prorrogado. Ele permite que o executivo “adote as medidas necessárias à prevenção e combate a incêndios florestais e à manutenção dos serviços públicos nas áreas atingidas pelas queimadas, podendo suspender a necessidade de licitação na compra de materiais e equipamentos”. O decreto leva em consideração “os danos ambientais e materiais e o agravo à saúde da população, trazendo prejuízos econômicos e sociais”, além dos “registros de atendimentos a ocorrências de incêndios florestais com danos a propriedades particulares, áreas de proteção ambiental, áreas de agricultura e pecuária”.

A medida reforça o alerta do risco iminente da ocorrência de incêndios, especialmente na zona rural. Nas últimas semanas foram vários os casos de fazendas atingidas pelo fogo, causando destruição e prejuízos a muitos produtores. Nos próximos dias, aliás, esta preocupação deve ficar maior. O Instituto Nacional de Meteorologia emitiu aviso de alerta para a ocorrência de “onda de calor”, com temperaturas até 5 graus acima da média em 28 municípios da região centro-sul do estado. O Inmet classificou o grau de severidade como “grande perigo”, com risco de morte por hipertermia.

Além de Cuiabá, também estão na lista os municípios de Acorizal, Alto Paraguai, Arenápolis, Barão de Melgaço, Barra do Bugres, Cáceres, Campo Verde, Chapada dos Guimarães, Denise, Diamantino, Dom Aquino, Itiquira, Jaciara, Jangada, Juscimeira, Nobres, Nortelândia, Nossa Senhora do Livramento, Nova Brasilândia, Pedra Preta, Poconé, Porto Estrela, Rondonópolis, Rosário Oeste, Santo Antônio do Leverger, São Pedro da Cipa e Várzea Grande. O alerta começou ao meio-dia de ontem (terça-feira, 10) e segue até às 10h00 desta quinta-feira, 12.

-

Mato Grosso: queimadas e seca colocam estado em situação de emergência

Decreto publicado pelo Governo do estado tem validade de 60 dias e pode ser prorrogado

11 de setembro de 2019 às 15h04

A estiagem que já dura mais de 4 meses em alguns municípios. A baixíssima umidade relativa do ar, oscilando entre 7% e 20% em várias cidades. O número alarmante de queimadas em agosto, com registro de 8.030 focos de calor, 230% acima do registrado no mesmo mês do ano passado. Fatores que compõem um cenário delicado, que levou o Governo de Mato Grosso a decretar situação de emergência.

O documento vale por 60 dias e pode ser prorrogado. Ele permite que o executivo “adote as medidas necessárias à prevenção e combate a incêndios florestais e à manutenção dos serviços públicos nas áreas atingidas pelas queimadas, podendo suspender a necessidade de licitação na compra de materiais e equipamentos”. O decreto leva em consideração “os danos ambientais e materiais e o agravo à saúde da população, trazendo prejuízos econômicos e sociais”, além dos “registros de atendimentos a ocorrências de incêndios florestais com danos a propriedades particulares, áreas de proteção ambiental, áreas de agricultura e pecuária”.

A medida reforça o alerta do risco iminente da ocorrência de incêndios, especialmente na zona rural. Nas últimas semanas foram vários os casos de fazendas atingidas pelo fogo, causando destruição e prejuízos a muitos produtores. Nos próximos dias, aliás, esta preocupação deve ficar maior. O Instituto Nacional de Meteorologia emitiu aviso de alerta para a ocorrência de “onda de calor”, com temperaturas até 5 graus acima da média em 28 municípios da região centro-sul do estado. O Inmet classificou o grau de severidade como “grande perigo”, com risco de morte por hipertermia.

Além de Cuiabá, também estão na lista os municípios de Acorizal, Alto Paraguai, Arenápolis, Barão de Melgaço, Barra do Bugres, Cáceres, Campo Verde, Chapada dos Guimarães, Denise, Diamantino, Dom Aquino, Itiquira, Jaciara, Jangada, Juscimeira, Nobres, Nortelândia, Nossa Senhora do Livramento, Nova Brasilândia, Pedra Preta, Poconé, Porto Estrela, Rondonópolis, Rosário Oeste, Santo Antônio do Leverger, São Pedro da Cipa e Várzea Grande. O alerta começou ao meio-dia de ontem (terça-feira, 10) e segue até às 10h00 desta quinta-feira, 12.