-

Argentina, Brasil e Ucrânia irão dominar o comércio do milho?

Neste mês, o USDA reduziu sua projeção das exportações de milho dos EUA em 1,92 milhão de tonelada (mt). Ao mesmo tempo, as exportações de milho da ABU (Argentina / Brasil / Ucrânia) foram elevadas em 3 MTs, para um total de 91 MTs. Isso será um recorde e quase 27 milhões de toneladas (42%)…

25 de abril de 2019 às 17h19

Neste mês, o USDA reduziu sua projeção das exportações de milho dos EUA em 1,92 milhão de tonelada (mt). Ao mesmo tempo, as exportações de milho da ABU (Argentina / Brasil / Ucrânia) foram elevadas em 3 MTs, para um total de 91 MTs. Isso será um recorde e quase 27 milhões de toneladas (42%) acima do ano passado. As exportações da ABU este ano são projetadas para responder por 53,4% das exportações mundiais.

A participação recorde capturada pela ABU foi de 61% em 2012/13. Em 2012/13, as exportações dos EUA foram prejudicadas pela pior seca em 50 anos. Em 2012/13, o Brasil foi o maior exportador mundial de milho. É provável que as exportações da ABU aumentem ainda mais, principalmente se a safrinha continuar tendo sua estimativa de produção elevada. As safras de milho da América do Sul estão em boa forma, com possibilidades das projeções atuais de produção se resumirem acima das estimativas do USDA, em 96MTs totais para o Brasil; 47 MTs para a Argentina; e 35,8 MTs para a Ucrânia.

Safras maiores no Brasil e Argentina (comparado com ano passado) levarão a um excedente exportável maior e as exportações devem ser ainda maiores (se os preços permanecerem competitivos).

Por último, apesar de os preços disponíveis do milho na Ucrânia serem ligeiramente superiores aos dos EUA, o país europeu é mais competitivo que os americanos nos mercados da Europa / Médio Oriente / Médio Oriente, devido a logística.

Bottom Line: Com uma safra saudável na Argentina, Brasil e Ucrânia, os três exportadores irão dominar o comercio mundial de exportação do milho. Sendo o segundo maior share de mercado na história.

-

Argentina, Brasil e Ucrânia irão dominar o comércio do milho?

Neste mês, o USDA reduziu sua projeção das exportações de milho dos EUA em 1,92 milhão de tonelada (mt). Ao mesmo tempo, as exportações de milho da ABU (Argentina / Brasil / Ucrânia) foram elevadas em 3 MTs, para um total de 91 MTs. Isso será um recorde e quase 27 milhões de toneladas (42%)…

25 de abril de 2019 às 17h19

Neste mês, o USDA reduziu sua projeção das exportações de milho dos EUA em 1,92 milhão de tonelada (mt). Ao mesmo tempo, as exportações de milho da ABU (Argentina / Brasil / Ucrânia) foram elevadas em 3 MTs, para um total de 91 MTs. Isso será um recorde e quase 27 milhões de toneladas (42%) acima do ano passado. As exportações da ABU este ano são projetadas para responder por 53,4% das exportações mundiais.

A participação recorde capturada pela ABU foi de 61% em 2012/13. Em 2012/13, as exportações dos EUA foram prejudicadas pela pior seca em 50 anos. Em 2012/13, o Brasil foi o maior exportador mundial de milho. É provável que as exportações da ABU aumentem ainda mais, principalmente se a safrinha continuar tendo sua estimativa de produção elevada. As safras de milho da América do Sul estão em boa forma, com possibilidades das projeções atuais de produção se resumirem acima das estimativas do USDA, em 96MTs totais para o Brasil; 47 MTs para a Argentina; e 35,8 MTs para a Ucrânia.

Safras maiores no Brasil e Argentina (comparado com ano passado) levarão a um excedente exportável maior e as exportações devem ser ainda maiores (se os preços permanecerem competitivos).

Por último, apesar de os preços disponíveis do milho na Ucrânia serem ligeiramente superiores aos dos EUA, o país europeu é mais competitivo que os americanos nos mercados da Europa / Médio Oriente / Médio Oriente, devido a logística.

Bottom Line: Com uma safra saudável na Argentina, Brasil e Ucrânia, os três exportadores irão dominar o comercio mundial de exportação do milho. Sendo o segundo maior share de mercado na história.