-

Estoques altos de soja impactam cotações futuras da oleaginosa

Em junho, o USDA surpreendeu a todos e aumentou a área plantada de milho nos EUA em 3% e reduziu a área de soja em 10%. Com a área plantada de soja nos EUA em torno de 32 milhões de hectares, o menor valor desde 2013, o clima em agosto se torna ainda mais importante…

12 de julho de 2019 às 13h52

Em junho, o USDA surpreendeu a todos e aumentou a área plantada de milho nos EUA em 3% e reduziu a área de soja em 10%. Com a área plantada de soja nos EUA em torno de 32 milhões de hectares, o menor valor desde 2013, o clima em agosto se torna ainda mais importante para definir o potencial produtivo desta safra.

Apesar da redução na área, e consequentemente no volume a ser produzido, os estoques mundiais de soja são recordes. Com a demanda chinesa se contraindo pelo segundo ano consecutivo (primeiro a guerra comercial e agora febre suína africana), os estoques americanos voltam a subir, pressionando as cotações futuras aqui em Chicago. Nos dois gráficos abaixo, é possível ver que os estoques de soja são recordes, mas que estão crescendo também de maneira rápida nos EUA.

Sem uma seca forte em agosto ou geadas prematuras em setembro, ou seja, um problema climático sério, o complexo soja não possui demanda forte o suficiente para que os contratos futuros subam e se mantenham sustentados acima de $9,30. Cotações acima de $9,40/novembro são consideradas excelentes oportunidades de trava em meio a um planeta com estoques cada vez maiores e com a demanda chinesa se enfraquecendo.

-

Estoques altos de soja impactam cotações futuras da oleaginosa

Em junho, o USDA surpreendeu a todos e aumentou a área plantada de milho nos EUA em 3% e reduziu a área de soja em 10%. Com a área plantada de soja nos EUA em torno de 32 milhões de hectares, o menor valor desde 2013, o clima em agosto se torna ainda mais importante…

12 de julho de 2019 às 13h52

Em junho, o USDA surpreendeu a todos e aumentou a área plantada de milho nos EUA em 3% e reduziu a área de soja em 10%. Com a área plantada de soja nos EUA em torno de 32 milhões de hectares, o menor valor desde 2013, o clima em agosto se torna ainda mais importante para definir o potencial produtivo desta safra.

Apesar da redução na área, e consequentemente no volume a ser produzido, os estoques mundiais de soja são recordes. Com a demanda chinesa se contraindo pelo segundo ano consecutivo (primeiro a guerra comercial e agora febre suína africana), os estoques americanos voltam a subir, pressionando as cotações futuras aqui em Chicago. Nos dois gráficos abaixo, é possível ver que os estoques de soja são recordes, mas que estão crescendo também de maneira rápida nos EUA.

Sem uma seca forte em agosto ou geadas prematuras em setembro, ou seja, um problema climático sério, o complexo soja não possui demanda forte o suficiente para que os contratos futuros subam e se mantenham sustentados acima de $9,30. Cotações acima de $9,40/novembro são consideradas excelentes oportunidades de trava em meio a um planeta com estoques cada vez maiores e com a demanda chinesa se enfraquecendo.