-

Apertem os cintos! A safra 2020 no Brasil já começou!

De agora em diante produtores rurais do Brasil começam o plantio da safra de Verão 2019/20. O estado do Paraná sempre dá o pontapé inicial, seguido pelo Mato Grosso. Entretanto, as condições climáticas para o Paraná trazem chuvas adequadas para todo o lado norte do estado, enquanto que o Mato Grosso continua enfrentando um cenário…

12 de setembro de 2019 às 13h04

De agora em diante produtores rurais do Brasil começam o plantio da safra de Verão 2019/20. O estado do Paraná sempre dá o pontapé inicial, seguido pelo Mato Grosso. Entretanto, as condições climáticas para o Paraná trazem chuvas adequadas para todo o lado norte do estado, enquanto que o Mato Grosso continua enfrentando um cenário extremamente árido.

A ARC Mercosul alerta que o período de plantio permitido por lei no Mato Grosso prevê que a partir do dia 15 de setembro poderá ser observado plântulas de soja em estado de emergência. Em outras palavras, fazendeiros do estado podem já colocar suas plantadeiras no chão, na aposta de chuvas que virão a chegar.

Em 2018, quando os brasileiros tiveram a campanha de plantio mais rápida da história do país, as chuvas se dispersaram por grande parte da região produtora de soja já no começo de setembro. Permitindo aquele fazendeiro em tomar um risco calculável para o avanço da semeadura adiantado. Na atual safra, o cenário é completamente diferente.

Em 2019, as precipitações são escassas desde o começo do mês. As regiões mais favorecidas são confinadas ao Sul do país, o que permite o desenvolvimento dos trabalhos de campo pelo Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Entretanto, em todo o Centro-Oeste brasileiro (Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul) as chuvas se mostram estritamente escassas, inviabilizando a tentativa de um plantio mais adiantado.

Por outro lado, com uma safra de soja saudável proveniente de 2018/29, a produção de sementes foi robusta. No Brasil, principalmente nos estados do Centro do país, é comum com que fazendeiros salve parte de sua soja em colheita para que se torne semente para a próxima safra. A “abundância” de sementes acarreta, todos os anos, a susceptibilidade do fazendeiro ao risco climático. Sempre escutamos nossos clientes, e seus vizinhos, tomando risco de plantio “na poeira” (com baixa umidade de solo) na tentativa de adiantar em alguns dias/semanas o ciclo da soja. Entretanto, as taxas de replantio nestas regiões são exponencialmente crescentes. A ARC no Brasil acredita que na atual safra brasileira deveremos observar patamares recordes de replantio, uma vez que muitos no Mato Grosso já estão tomando um enorme risco colocando suas plantadeiras em campo.

Resumo: O atraso da chegada das chuvas para a primeira safra brasileira 2019/20 deverá acarretar problemas minoritários para a soja (verão), uma vez que a janela ideal de plantio se estende até o início de dezembro (para a maioria dos estados centrais do país). A grande preocupação com a soja plantada após o dia 15 de novembro é a falta de janela de chuvas hábil para o cultivo da safrinha lá em 2020.

-

Apertem os cintos! A safra 2020 no Brasil já começou!

De agora em diante produtores rurais do Brasil começam o plantio da safra de Verão 2019/20. O estado do Paraná sempre dá o pontapé inicial, seguido pelo Mato Grosso. Entretanto, as condições climáticas para o Paraná trazem chuvas adequadas para todo o lado norte do estado, enquanto que o Mato Grosso continua enfrentando um cenário…

12 de setembro de 2019 às 13h04

De agora em diante produtores rurais do Brasil começam o plantio da safra de Verão 2019/20. O estado do Paraná sempre dá o pontapé inicial, seguido pelo Mato Grosso. Entretanto, as condições climáticas para o Paraná trazem chuvas adequadas para todo o lado norte do estado, enquanto que o Mato Grosso continua enfrentando um cenário extremamente árido.

A ARC Mercosul alerta que o período de plantio permitido por lei no Mato Grosso prevê que a partir do dia 15 de setembro poderá ser observado plântulas de soja em estado de emergência. Em outras palavras, fazendeiros do estado podem já colocar suas plantadeiras no chão, na aposta de chuvas que virão a chegar.

Em 2018, quando os brasileiros tiveram a campanha de plantio mais rápida da história do país, as chuvas se dispersaram por grande parte da região produtora de soja já no começo de setembro. Permitindo aquele fazendeiro em tomar um risco calculável para o avanço da semeadura adiantado. Na atual safra, o cenário é completamente diferente.

Em 2019, as precipitações são escassas desde o começo do mês. As regiões mais favorecidas são confinadas ao Sul do país, o que permite o desenvolvimento dos trabalhos de campo pelo Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Entretanto, em todo o Centro-Oeste brasileiro (Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul) as chuvas se mostram estritamente escassas, inviabilizando a tentativa de um plantio mais adiantado.

Por outro lado, com uma safra de soja saudável proveniente de 2018/29, a produção de sementes foi robusta. No Brasil, principalmente nos estados do Centro do país, é comum com que fazendeiros salve parte de sua soja em colheita para que se torne semente para a próxima safra. A “abundância” de sementes acarreta, todos os anos, a susceptibilidade do fazendeiro ao risco climático. Sempre escutamos nossos clientes, e seus vizinhos, tomando risco de plantio “na poeira” (com baixa umidade de solo) na tentativa de adiantar em alguns dias/semanas o ciclo da soja. Entretanto, as taxas de replantio nestas regiões são exponencialmente crescentes. A ARC no Brasil acredita que na atual safra brasileira deveremos observar patamares recordes de replantio, uma vez que muitos no Mato Grosso já estão tomando um enorme risco colocando suas plantadeiras em campo.

Resumo: O atraso da chegada das chuvas para a primeira safra brasileira 2019/20 deverá acarretar problemas minoritários para a soja (verão), uma vez que a janela ideal de plantio se estende até o início de dezembro (para a maioria dos estados centrais do país). A grande preocupação com a soja plantada após o dia 15 de novembro é a falta de janela de chuvas hábil para o cultivo da safrinha lá em 2020.