-

Pragas subterrâneas: é mais prevenir do que remediar

Não são sempre visíveis, mas seus danos podem ser percebidos rapidamente quando causam prejuízos econômicos

06 de novembro de 2019 às 17h28

Olá, amigo produtor!

Muitos são os problemas de pragas e doenças que temos de enfrentar em nossas lavouras. No entanto, no post de hoje, focaremos em um tipo que pode nos dar um pouco mais de trabalho no seu controle e manejo: as pragas subterrâneas

Como o nome já diz, elas são aquelas pragas que vivem abaixo da superfície do solo. Não são sempre visíveis, mas seus danos podem ser percebidos rapidamente quando causam prejuízos econômicos. A maioria das pragas é polífaga, ou seja, pode se alimentar de mais de uma espécie de planta, não sendo restrita apenas a uma cultura específica.

As pragas subterrâneas impactam negativamente: 

  • As sementes, diminuindo a taxa de germinação e o estande inicial da lavoura;
  • As raízes, diminuindo a absorção de água e nutrientes e abrindo portas para a entrada de patógenos;
  • O colo, podendo atingir os caules e causar tombamentos;
  • E vegetação como um todo, pois diminuem a população de plantas devido aos danos causados. 

Quase todas as espécies cultivadas são atacadas por pragas subterrâneas. Para exemplificar, podemos citar soja, milho, trigo, eucalipto, algodão, café, arroz, pastagens e cana-de-açúcar. Para evitar prejuízos, é preciso estar atento e monitorar a lavoura, sabendo o momento certo de aplicar uma medida de controle.

Principais pragas subterrâneas

Abaixo, segue uma lista com algumas das principais pragas subterrâneas, pois, para controlá-las, precisamos conhecê-las:

  • Percevejo castanho da raiz: suga seiva pelas raízes, reduz o crescimento das plantas e pode causar até 100% de perdas; 
  • Corós: se alimentam das raízes das plantas, retardam o seu desenvolvimento, causam murcha e até morte da lavoura;
  • Cigarrinha das raízes: os maiores danos são causados pelas ninfas, que impedem o fluxo de água e nutrientes. Causam desidratação, murcha e rachaduras (na cana-de-açúcar). A fase adulta libera uma toxina nas plantas, causando amarelecimento das folhas; 
  • Grilos: cortam as plântulas a nível do solo, retardando o seu crescimento e desenvolvimento.

Práticas de controle e manejo das pragas subterrâneas

O Manejo Integrado de Pragas (MIP) é a melhor maneira de controlar os diversos tipos de pragas, reduzindo a sua população. Prevenir ainda é a melhor característica a ser adotada. 

Utilizar sementes tratadas e/ ou com a tecnologia Bt são maneiras de controlar as pragas. A dessecação antecipada das plantas daninhas e restos culturais, além da implantação do sistema de plantio direto,  evitam danos e prejuízos. O uso de defensivos agrícolas químicos e biológicos no sulco de plantio também é um método eficiente de prevenção das pragas.

E você, amigo produtor, tem sofrido com as pragas subterrâneas na sua lavoura? Comente e envie sua experiência.

Até logo!

-

Pragas subterrâneas: é mais prevenir do que remediar

Não são sempre visíveis, mas seus danos podem ser percebidos rapidamente quando causam prejuízos econômicos

06 de novembro de 2019 às 17h28

Olá, amigo produtor!

Muitos são os problemas de pragas e doenças que temos de enfrentar em nossas lavouras. No entanto, no post de hoje, focaremos em um tipo que pode nos dar um pouco mais de trabalho no seu controle e manejo: as pragas subterrâneas

Como o nome já diz, elas são aquelas pragas que vivem abaixo da superfície do solo. Não são sempre visíveis, mas seus danos podem ser percebidos rapidamente quando causam prejuízos econômicos. A maioria das pragas é polífaga, ou seja, pode se alimentar de mais de uma espécie de planta, não sendo restrita apenas a uma cultura específica.

As pragas subterrâneas impactam negativamente: 

  • As sementes, diminuindo a taxa de germinação e o estande inicial da lavoura;
  • As raízes, diminuindo a absorção de água e nutrientes e abrindo portas para a entrada de patógenos;
  • O colo, podendo atingir os caules e causar tombamentos;
  • E vegetação como um todo, pois diminuem a população de plantas devido aos danos causados. 

Quase todas as espécies cultivadas são atacadas por pragas subterrâneas. Para exemplificar, podemos citar soja, milho, trigo, eucalipto, algodão, café, arroz, pastagens e cana-de-açúcar. Para evitar prejuízos, é preciso estar atento e monitorar a lavoura, sabendo o momento certo de aplicar uma medida de controle.

Principais pragas subterrâneas

Abaixo, segue uma lista com algumas das principais pragas subterrâneas, pois, para controlá-las, precisamos conhecê-las:

  • Percevejo castanho da raiz: suga seiva pelas raízes, reduz o crescimento das plantas e pode causar até 100% de perdas; 
  • Corós: se alimentam das raízes das plantas, retardam o seu desenvolvimento, causam murcha e até morte da lavoura;
  • Cigarrinha das raízes: os maiores danos são causados pelas ninfas, que impedem o fluxo de água e nutrientes. Causam desidratação, murcha e rachaduras (na cana-de-açúcar). A fase adulta libera uma toxina nas plantas, causando amarelecimento das folhas; 
  • Grilos: cortam as plântulas a nível do solo, retardando o seu crescimento e desenvolvimento.

Práticas de controle e manejo das pragas subterrâneas

O Manejo Integrado de Pragas (MIP) é a melhor maneira de controlar os diversos tipos de pragas, reduzindo a sua população. Prevenir ainda é a melhor característica a ser adotada. 

Utilizar sementes tratadas e/ ou com a tecnologia Bt são maneiras de controlar as pragas. A dessecação antecipada das plantas daninhas e restos culturais, além da implantação do sistema de plantio direto,  evitam danos e prejuízos. O uso de defensivos agrícolas químicos e biológicos no sulco de plantio também é um método eficiente de prevenção das pragas.

E você, amigo produtor, tem sofrido com as pragas subterrâneas na sua lavoura? Comente e envie sua experiência.

Até logo!