ABCCC: 87 anos de muitas conquistas e histórias pra contar

Olá!

Depois de um período ausente por compromissos inerentes à criação de ovinos, volto a escrever para vocês. Não poderia deixar passar em branco o aniversário da querida Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos, que completou 87 anos de existência no último dia 28 de fevereiro.

Ao comemorar este aniversário, volto meu olhar ao já longínquo 1932, quando a maioria dos atuais integrantes da grande família crioulista ainda não tinha nascido. Será que vocês podem imaginar a efervescência daquela época em torno do cavalo que era criado?

O sentimento de preservação e promoção levou um grupo de homens, conhecedores das lidas campeiras, a trocar ideias em encontros pelo Rio Grande, que resultaram na convocação de uma Assembleia para a fundação da ACCC, em Bagé, que possui o status de Cidade Berço do Cavalo Crioulo.

Faça uma retrospectiva, procure ler os “Annaes da Associação de Criadores de Cavalos Crioulos”, saber da evolução desta magnífica entidade que herdamos, da criação da marca que até hoje nossos cavalos levam ao serem confirmados, do compromisso assumido ao receber do Ministério da Agricultura o Registro Genealógico, antes feito pelo Herd Book Collares e assim por diante.

A ABCCC cresceu, ganhou adeptos, outros mais foram chegando, muitos acreditaram e, convidados a trabalhar voluntariamente, foram se comprometendo com a raça e com a entidade, fazendo-a alcançar a dimensão que todos conhecem e admiram.

Aliás, a ABCCC é exemplo para outras entidades porque, nesta casa, sempre tivemos equipes unidas e dedicadas, diretorias e colaboradores com um único foco, o de levar o Cavalo Crioulo aos mais altos patamares, sem nenhum descuido aos padrões raciais, procurando chegar no binômio beleza e função nas medidas justas.

E, pasmem, como sabedor de suas potencialidades, o Crioulo respondeu, mostrando que, além de bonito e bom, ele é versátil, com garra e competência supera tudo o que achamos que ele é capaz. Certamente aqueles que a fundaram não poderiam imaginar este crescimento.

Que venham outros tantos anos, novas gerações e seremos nós a não acreditar o que o futuro ainda nos reservará. Querem apostar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *