Leilão de Touros Santa Cruz fecha com média de R$ 10,3 mil por animal

Pelas mãos de Paulo Brasil o Leilão de Touros Santa Cruz foi exemplo de venda com agilidade e excelente média. A batida do martelo durou pouco mais de 4 horas e segundo a leiloeira responsável, somando os touros e bezerros de corte, o pregão arrecadou no total R$ 1,638 milhão. A média dos touros foi de R$ 10.356,16 e entre os gados de corte fechou em R$ 3.332,89 mil. O remate foi realizado em Iaciara (GO), no recinto de eventos da Fazenda Santa Cruz e registrou a venda expressiva dos lotes 02, 10 e 16, que foram comercializados por R$ 30 mil cada.

Touros tiveram média de R$ 10,3 mil

O sucesso do leilão comprovou a qualidade da seleção de ponta feita por Gil Pereira, titular da Fazenda Santa Cruz. A marca Santa Cruz lidera o mercado de gado no estado de Goiás e já se tornou uma tradição, não só na região, mas em todo o país. Segundo o criador, foi colocado à disposição dos pecuaristas a melhor safra da marca. “Procuramos produzir aquilo que traz o melhor resultado econômico, para que seja um negócio rentável para nosso cliente. Realizamos um trabalho nos últimos quatro anos onde conseguimos encurtar o ciclo da pecuária em um ano. Nosso foco sempre foi buscar o melhoramento genético que garanta os três itens fundamentais para a pecuária: fertilidade, habilidade materna e precocidade. O nosso leilão foi padrão em todos os lotes, não teve escada, começou bem, manteve a qualidade durante todo o remate e fechou bem com lote de alta qualidade, destacou o criador”.

Convidados Leilão de Touros Santa Cruz

As vendas feitas de forma dinâmica e com preços acima do mercado mostraram a eficiência de Paulo Kamilo, gerente de pecuária do criatório, e sua equipe, que fizeram do evento um verdadeiro encontro de neloristas, com casa cheia. Para Paulo o grande diferencial da marca Santa Cruz é vender touros rústicos, comprovados a campo nas novilhas do rebanho, durante a estação de monta do ano anterior. Isso fez a diferença e contribuiu para o resultado do pregão. “Nós temos convicção que os animais que vendemos serviriam para o nosso criatório. No nosso critério de seleção é indispensável que os animais sejam bem avaliados no Programa de Melhoramento Genético, além de ter padrão racial e ser eficiente no campo. São touros de fato testados e que vão produzir o que se propõe”, finalizou Kamilo.